Aposentadoria: o Fim certo do INSS : análise técnica, como investir na bolsa de valores (Bovespa)

Aposentadoria: o Fim certo do INSS

Danilo Coscioni

Aposentadoria: o Fim certo do INSS

Aposentadoria do INSS, tem sido tema constante desde que mudanças na forma do cálculo, valor, idade mínima, tempo de serviço e contribuição entram em discussão no congresso para nova regra da aposentadoria. Neste texto você descobre, de fato, quanto perde com o INSS e quanto poderia ganhar administrando a sua aposentadoria você mesmo de forma bem simples.

A ineficiência da Aposentadoria no Brasil

O que não tem se falado muito é da sua eficiência no modelo que é utilizado no Brasil e das comparações com outras alternativas ao INSS. (Neste momento você deve estar imaginando que te conduzirei a adquirir uma plano de previdência privada ou algo do tipo. NÃO, este texto não vai de conduzir a adquirir um plano de previdência ou qualquer outro produto. Vai te esclarecer o que acontece com seu dinheiro que vai para o INSS e o que poderia acontecer se você mesmo assumisse o controle de onde e como fazer sua aposentadoria por conta própria).

No Brasil, o INSS usa um modelo de contribuição para aposentadoria onde o benefício recebido é pago pela contribuição dos mais novos que ainda não se aposentaram. Na minha opinião, este é um modelo completamente errado e injusto; no início foi de sua implementação foi satisfatório: tinha-se poucos aposentados, muita gente contribuindo e sobrava bastante para os governos usarem o que sobrava praticamente como queriam. As pessoas contribuíam pouco, se aposentaram logo, por longo tempo e com altos valores.

Este também não é um texto sobre discussão política, então vamos usar o parágrafo anterior apenas para entender que não precisa ser um matemático pra saber que um dia essa conta não vai fecha a menos que a população continuasse crescendo exponencial pra sempre, e é óbvio que isso não é possível, e em algum momento vai faltar dinheiro para pagar os aposentados. O ponto é que as alterações propostas atualmente são “cruéis” e não resolvem o problema pra sempre.

O Modelo correto de Aposentadoria

Na década passada os Estados Unidos alterou para um modelo onde cada um recebe o benefício com base no que contribuiu ao longo da vida, é muito mais justo, mas não é novidade, países maduros já usam esse modelo, e não precisa ir muito longe, o Chile, por exemplo é um deles.

Conforme já citado, antes pagava-se pouco por pouco tempo e iniciava cedo o recebimento do beneficio que acabava sendo por um longo tempo, mas você já se perguntou atualmente, quanto você vai pagar, por quanto tempo e quanto vai receber de volta? E se teria alguma alternativa melhor?

E se você assumisse a sua Aposentadoria e não deixasse o INSS fazer por você?

Abaixo você confere um comparativo da aposentadoria pelo INSS e da aposentadoria feita por você mesmo. No modelo atual, contribui-se por 35 anos ou aposenta-se aos 65. Dentre as propostas de alteração para as novas regras para aposentadoria propõe-se estipular 65 anos como idade mínima para se aposentar e 49 anos de contribuição para se aposentar sem redutor.

Longe de querer debater esse tema aqui, vamos para o lado prático: quanto você pagaria pelo INSS, e quanto teria de volta em beneficio comparado ao equivalente se você fizesse a sua própria aposentadoria usando a renda fixa ou o tesouro direto, por exemplo.

Uma pessoa que ganha R$ 3.000,00 registrado em carteira paga ao INSS 11% descontado em seu hollerith. A empresa paga mais 20%, de modo que já é descontado e o trabalhador nem vê 31% do valor do seu salário apenas com o INSS; fora os demais impostos, claro. Então, são 930 reais que o trabalhador “investe” no INSS para ter de retorno depois de 35 anos, os mesmo R$ 3.000,00 por mês (se tiver sorte... porque não sabemos se haverá aplicação de redutores, ou qual será o teto na ocasião, visto que antigamente era 20 salários mínimos de teto e hoje quiçá é um quinto desse valor. Em um futuro não muito distante, é bem provável que esse teto seja o mesmo que o salário mínimo; a curva do teto ao longo dos anos tende a isso).

Alguns podem questionar que os 20% são a empresa que paga. Sim, é verdade, mas se ela não tivesse esse custo, ou se o trabalhador se convertesse em MEI, por exemplo, poderia repassar diretamente ao trabalhador que escolheria o que fazer ou onde aplicar esse valor.

A Aposentadoria dos sonhos que você pode ter

Então você deve estar se perguntando: então, se o INSS me daria, com sorte, uma aposentadoria de R$ 3.000,00, quanto eu teria se aplicasse esses recursos por conta própria, em algo fácil e de baixo risco, como o tesouro direto, por exemplo? A reposta direta é: R$ 14.854,00! Ou se preferir uma outra perspectiva, em vez de contribuir por 35 anos, fazendo você mesmo sua aposentadoria pela renda fixa, esse mesmo valor dos 35 anos do INSS, você teria sua aposentadoria em apenas 19 anos.

Comparativo Aposentadoria INSS vs. Faça Vc Mesmo

Não acredita? Faça sua própria planilha e comprove. Ainda teve alguns pontos que não foram considerados, como contribuição do INSS sobre 13º e férias. Se alguém se questionar sobre a inflação, o ponto é que ambos os valores são corrigidos pela inflação, porém pergunte pra quem já é aposentado há alguns anos e saberá que com números o governo sempre ganha e a gente perde... Foi considerado nos cálculos os dados atuais para aposentadoria e a expectativa de vida do IBGE de 77 anos. Claro que se as novas regras forem aplicadas as diferenças serão ainda maiores. Por exemplo, se for alterado para 49 anos o tempo de contribuição do INSS, os valores de aposentadoria pelo INSS seria o mesmo (com muito mais sorte ainda), e aplicado você mesmo pela renda fixa, seria de apenas R$ 36.385,00.

Detalhes Aposentadoria INSS vs. Faça Vc Mesmo

Curiosidade: outra possibilidade com os números da aposentadoria feita por você mesmo seria não se utilizar o principal diluído na expectativa de vida, já que alguns podem se perguntar: e se eu viver por 120 anos? Nesse caso, descontado o principal e ficando apenas com o rendimento do juros mesmo, mantendo o principal e a atualização da inflação guardados, o rendimento seria de R$ 6.218,00 de renda perpétua. Isso mesmo, não é vitalícia, é pra sempre! Isso porque, depois de acumulado um valor, se você não tirar o principal e manter a atuação da inflação e rendimento passa a ser perpétuo, ou seja, continuaria para seus filhos, netos, tataranetos...

Evidentemente, existem outras possibilidades, pode-se diversificar, investir em imóveis e rendimentos de aluguéis, investir em ações, fazer venda coberto, e outras alternativas, mas isso é assunto para um outro texto que vão apenas melhorar ainda mais os dados já citados...

E você, já tinha feito essa conta antes? Deixe seu comentário e se gostou ajude a divulgar nas redes sociais. 

Seu nome:
Seu E-mail:
Nome do seu amigo:
E-mail do seu amigo:
Sua mensagem (opcional):
Nome: Seu Email: (não será Publicado)
Site: (opcional)
Nofiticar por e-mail novos comentários neste tópico.

Enzo comentou:

Interessante e intrigante esse artigo, como posso obter mais detalhes contigo?


Danilo comentou:

Olá Enzo,
Fico feliz que lhe tenha sido útil.
Você pode obter atendimento pelo personalizado link que está clicando logo aqui no meu nome, ou clicando em contato no menu do superior.


 
Publicidade

O mercado financeiro é cheio de contradições. Os conflitos são constantes porque encerram nossos desejos instáveis de atuar como compradores e como vendedores. Enquanto nos outros mercados, os compradores aguardam os preços caírem pra comprar mais barato...

Estudo que visa indicar onde estão concentrados os grandes investidores ajudando na direção de posições. Veja a força dos Comprados e Vendidos nas Opções da PETR4

Quem opera o mercado financeiro e usa gráficos para analisar ativos, sabe como é frustrante determinar a direção dos preços. A confusão emana do desejo de examinar os gráficos em diferentes períodos. Sabemos que um gráfico visto com velas de um determinado tempo, pode indicar uma direção diferente daquela com velas de outro período...

A Bovespa divulga em seu site a volatilidade histórica dos ativos. Entretanto, para facilitar, criamos esta tabela onde é apresentada a volatilidade histórica dos principais ativos, de forma a permitir as comparações entre respectivos períodos e ativos.

Orientações de como calcular o imposto de renda para operações em bolsas. Isenções, forma de cálculo, o que é considerado ganho, o que pode ser abatido...