Limitando os Riscos com Long e Short (Compra e Venda)

Professor Metafix

Sabemos que podemos reduzir bastante os riscos praticando alguma forma de trava ou hedge (proteção). As travas podem ser complicadas ou simples, mas todas diminuem os riscos e os ganhos por jogadas, mas se ganha mais vezes o suficiente para compensar o achatamento dos lucros. Portanto, as travas não eliminam os riscos pois, se assim o fizessem, não teríamos lucro, mas elas ajudam a conservar o capital e permite que se opere mais vezes com tranquilidade. A trava Long e Short ou de compra e venda é bastante simples e podemos aplicá-la tanto em ações, como em fundos de ações tipo ETFs, e outros instrumentos que sejam matematicamente auto correlacionados.

Essa trava Long e Short consiste em comprar um ativo e vender outro para lucrar com a diferença de preço que ocorre naturalmente quando dois ativos variam na mesma direção, mas nem sempre na mesma velocidade ou proporção. Por exemplo, os valores de ações preferenciais e ordinárias de um mesmo ativo, ou ETFs, que acompanham algum índice de preço de um mesmo setor, podem subir e descer juntos numa mesma direção, mas alteram as mudanças de forma irregular, criando de forma intermitente significante diferenças de preço que podemos aproveitar para lucrar.

Primeiro vamos aproveitar a oportunidade para destacar as vantagens de se aplicar em fundos de ações negociáveis, os ETFs. Depois concluiremos com um gráfico de uma ação ordinária e de uma preferencial da Petrobrás.

Os ETFs são um tipo de aplicação bastante difundido aqui nos Estados Unidos, e bem aceito pelo mercado financeiro. Esse tipo de aplicação aumentou a participação de muitos interessados em renda variável, mas temiam os riscos e não tinham capital para comprar ações, em quantidade suficiente para montar uma carteira de investimento diversificada.  

Apesar dessa enorme vantagem, os ETFs não estão totalmente isentos dos riscos que afetam as ações. Naturalmente, os riscos deles são menores do que em ações porque são compostos por ações. Destarte, eles já nascem parcialmente diversificados e menos voláteis. Todavia, com ajuda de travas (ou Hegdes), eles se tornam ainda mais atraentes para aqueles com pouca experiência em negociações em situação de risco. Isso favorece especialmente os pequenos investidores e aqueles avesso aos riscos. 

Aqui nos Estados Unidos os ETFs são bem difundidos. Já existem mais ETFs do que ações no mercado. Os ETFs têm atraído muitos investidores porque, além da diversificação, que diminui os riscos, eles também são mais acessíveis aqueles com pouco capital. Além disso, as corretoras também não cobram comissão sobre ETF e ações. A maioria dos investidores preferem ter conta margem. Nesse tipo de conta o investidor paga juros todas as vezes que os investimentos ultrapassam o saldo da conta e, por isso, as corretoras podem dispensar a cobrança de corretagem. Isso aumenta o risco, mas ajuda bastante os pequenos investidores com experiência.

ETFs são atraentes aos pequenos investidores porque podem ser negociados em quantidades bastante reduzidas de até fração de uma unidade. Portanto, pouco capital deixou de ser um empecilho para os que desejam aprender a operar ou aplicar em renda variável. 

Como dito, quando dois ativos são correlacionados positivamente, seus respectivos preços aumentam e caem juntos, mas em velocidades diferentes. Como não existe correlação perfeita, pode até acontecer de um preço cair, e o outro subir, dentro de pequenos intervalos que não anulam a correlação positiva. Assim, a diferença varia tanto que, podemos lucrar comprando quando a diferença de preço é baixa e vendendo quando ela aumenta.

Note que ao vender um ativo, entra dinheiro na conta e o crédito do investidor aumenta. O crédito automático diminui a necessidade de tomar dinheiro emprestado para cobrir a margem de operação. A trava diminui a variância dos preços, mas aumenta o nível de alavancagem via o crédito da venda.

Como a plataforma que temos não fornece os gráficos dos ETFs negociados na Bovespa (B3), optamos por uma apresentação similar usando ações preferenciais e ordinárias da Petrobras negociadas nos Estados Unidos.

O gráfico mostra que nas últimas 3 semanas de maio a diferença entre petr3 e petr4 aumentou, mas nas 3 semanas seguintes, até 21 de junho, a diferença caiu. 

Portanto, nessas seis semanas, o movimento de preço proporcionou duas oportunidades que deram oportunidades para se lucrar muito bem. Tivemos uma oportunidade de comprar nas primeiras 3 semanas e outra de venda nas últimas três. Cada movimento deu 50 por cento de lucro. Confira o gráfico abaixo. Aproveite para comparar com o gráfico em real da mesma empresa e período na sua plataforma com dados da Bovespa (B3). 

Portanto, notamos que a Long e Short de compra e venda é muito vantajosa para os pequenos investidores, especialmente quando usada em operações com fundos de investimento chamados ETFs. Nessa modalidade, como dito, podemos operar com poucas unidades, com menos risco e com menos insegurança.

Destarte, a Long e Short de compra e venda com ETFs oferece uma oportunidade muito boa para aqueles que  querem sair da renda fixa, mas temem os riscos e tem pouco capital para operar com renda variável. Boa sorte!

Prof. Metafix, Wisconsin, 22 de junho de 2022

Gráfico da Plataforma, Thinkorswim da TDAmeritrade

Professor Metafix
Compartilhe

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Próximo Post

Mercado opera em alta puxado por commodities

Após sinalização de reabertura na China, mercado brasileiro, principalmente dos setores de commodities, aceleram alta pungente nessa semana. Confira o que os analistas do TradingView estão olhando. Macd Bollinger Quando uma empresa tem boa gestão, esse indicador pode ser importante para detectar se uma determinada ação está com seu múltiplo […]
 loading loading