Suportes, Resistências, Tendências e o Lado Emocional Bovespa: InvestMax : análise técnica, como investir na bolsa de valores (Bovespa)

Suportes, Resistências, Tendências e o Lado Emocional

Professor Metafix

Suportes,  Resistências, Tendências e o Lado Emocional 

 O Gorila Invisível

Identificar a direção correta dos preços garante sucesso em qualquer transação financeira, mas é uma tarefa cheia de incertezas. Tudo depende dos sinais enviados pelo mercado, e da nossa capacidade para aceitar indicações dos gráficos. Os sinais nem sempre mostram as opções com absoluta clareza. Entretanto, o pior de tudo é a nossa predisposição para escolher apenas aquilo que satisfaz nossas emoções. Infelizmente, tentamos evitar decisões lógicas porque elas envolvem riscos. Temos uma enorme capacidade seletiva para ignorar aquilo que o subconsciente não gosta. Somos vítimas desse “viés” mental e precisamos controlar, de alguma forma, nossos desejos de restringir operações com sinais que não obedecem a lógica da lei da demanda e da oferta.

O mercado procura eficiência alterando os preços para satisfazer o interesse dos ofertantes e demandantes. Os preços sobem e descem constantemente e, em qualquer tempo escolhido para analisar os movimentos, notamos que eles avançam e retraem ao redor de uma média que, pode ser ascendente, ou descendente. Eles criam suportes ou resistência antes de mudar de direção. 

Muitas vezes, não prestamos atenção e só vemos as mudanças com clareza depois que elas acontecem. Essa falha ocorre quando estamos esperando por outros sinais. A mente tem outra opção e não vê o gorila na sala. Temos que nos vigiar pra não escolher a coisa errada. Os psicológos Christopher Chabris e Daniel Simons ilustram o fenômeno da seletividade no livro -- O Gorila Invisível. Veja também um exemplo num vídeo do mesmo título publicado no You Tube.

Existe também o fenômeno que os psicológos chamam de âncora mental. Somos pré dispostos a aceitar as primeiras informações e sugestões que recebemos -- “a primeira impressão é a que fica”, diz o ditado. O pessoal que gosta de análise gráfica jura de pés juntos de que existem padrões gráficos. E assim, a maioria dos operadores começa a estudar os movimentos de preço sem algum senso crítico; escolhem um “jeitinho” para evitar a lógica do mercado. Esta é uma solução sem fundamento científico que sai caro. Aqueles, que não conseguem se livrar da primeira impressão, repetem os erros e não procuram alternativas. Esses operaram com a ideia de que podemos determinar a direção dos preços, utilizam formatos imaginados por pessoas inteligentes que procuram saídas fáceis.

Muitos não reconhecem que mudanças de preço são aleatórias e não podem formar padrões. Existem também uma associação positiva entre certeza e o certo. Essa ligação impede de se trabalhar ou fazer qualquer coisa quando não temos certeza. E assim agimos num mundo de probabilidades e incerteza, mas jurando que que estamos certos porque não podemos contrariar as imagens que o subconsciente forma na nossa cabeça.

Não sabemos quando os preços vão subir ou cair, mas apenas que eles sobem e descem em função das forças antagônicas da oferta e da procura. Entretanto, sabemos que os movimentos formam suportes e resistências ao longo das tendências porque, como na física, as forças de ação e de reação se alteram naturalmente. Essa alternância, com grande probabilidade, identifica os pontos de inflexão que mostram mudanças na direção dos preços. Isto é, esses pontos indicam, apenas com probabilidade, o começo e o fim de movimentos de alta e baixa. Concluímos que é importante observar esses sinais. Apesar da incerteza, eles são os melhores indicadores para se comprar ou vender porque mostram as prováveis mudanças de força entre demanda e oferta.

Portanto, o problema tem dois lados; temos que aceitar os perigos dos negócios. Essa é uma questão de probabilidade. A outra é corrigir nosso medo para não influenciar a mente. Nesse mister, temos que aceitar os sinais mais prováveis e rejeitar os que desejamos. Por necessidade, precisamos aproveitar os pontos de inflexão e desenvolver alguma forma simples para forçar nosso subconsciente a obedecer aquilo que o mercado indica, em vez de selecionar o que desejamos. Quando trabalhamos com probabilidade temos que aceitar a indicação dos números sem nenhuma garantia. Somente a nossa desconfiança nos protege.

Na luta para encontrar conforto naquilo que é desconfortável por natureza, perdemos tempo. Operamos como Vladimir e Estragon que, à beira de uma estrada, esperam por Godot, mas ele nunca aparece.

É importante entender os suportes e as resistências. Eles representam pontos de mudanças efetivas ao longo das tendências. São indicativos de compra e de venda, mas não dão certeza, pois essa é a questão fundamental que dá sentido à vida e às probabilidades. Destarte, aceitá-los sem receio é uma luta mental. Mas, o medo de errar é o gorila invisível que produz derrotas psicologicamente dolorosas e financeiramente caras.
Prof-Metafix
Wisconsin 21 de julho de 2016

Seu nome:
Seu E-mail:
Nome do seu amigo:
E-mail do seu amigo:
Sua mensagem (opcional):
Nome: Seu Email: (não será Publicado)
Site: (opcional)
Nofiticar por e-mail novos comentários neste tópico.

 
Publicidade

Nesta nota vamos analisar como num dia de operação o investidor pode aumentar os ganhos num montante que daria inveja a qualquer robot dos “High frequence traders” – jogadores de alta frequência.

O mercado financeiro é cheio de contradições. Os conflitos são constantes porque encerram nossos desejos instáveis de atuar como compradores e como vendedores. Enquanto nos outros mercados, os compradores aguardam os preços caírem pra comprar mais barato...

Aproveito a oportunidade para lançar uma breve discussão sobre os swaps, uma modalidade de aplicação financeira pouco utilizada no Brasil mas que nos afeta diretamente.  Swap significa troca, nesse caso, de  dois ativos com retornos e riscos diferentes. Atualmente esta havendo uma grande reversão dos swaps de moedas que, de forma célere, revela-se bastante nefasta para muitas economias...

Esta ferramenta permite escolher as melhores opções para as operações de venda coberta (lançamento coberto - financiamento).

Os governantes das principais economias, por razões políticas, ainda teimam e sonham com um fim benigno da crise que já perdura por mais de 4 anos. Enquanto isso, a maioria dos investidores continua frustrada com a indefinição do mercado de ações. Os que tiveram sucesso com esse tipo de investimento...